#IBOV #B3SA3 #ITUB4 #BBAS3 #ELET613/11/18 - BOLSA DE VALORES - PRIMEI... - GuiaInvest

Ibovespa

Desconectado
  • 87.944
  • ▲0,12%
  • 2,98B
  • 13:47
  • Exibe o gráfico
Crie sua conta
ou
faça o login
para criar sua lista de ações
TOP
Bob
  • 13 de novembro às 10:03
  • Público
#IBOV #B3SA3 #ITUB4 #BBAS3 #ELET6

13/11/18 - BOLSA DE VALORES - PRIMEIRA LEITURA

RECOMENDAÇÕES: ===>>

Guararapes (GUAR3): O BTG Pactual manteve a recomendação outperform para o papel da Guararapes, com preço-alvo de R$ 170.

Iochpe-Maxion (MYPK3): O Bradesco BBI manteve recomendação outperform e preço-alvo de R$30 para Iochpe-Maxion.

BRF (BRFS3): Os analistas do Santander cortaram o preço-alvo da BRF pela metade, de R$ 56 para R$ 23. A recomendação também foi revisada para baixo, passando de compra para manutenção.

********************
DESTAQUES:

TIMP3: O Conselho de administração da TIM demitiu o CEO do grupo, Amos Genis, que estava no cargo desde julho de 2017. Segundo fontes da empresa, Genish, que havia sido nomeado pelo grupo francês Vivendi, maior acionista da companhia, perdeu o apoio da gestora de recursos norte-americana Elliott, que controla o conselho de administração. O cargo de CEO será assumido interinamente pelo presidente da TIM, Fulvio Conti, até 18 de novembro, quando o conselho se reunirá novamente para definir o substituto de Genish. Por meio de uma nota, a empresa agradeceu ao executivo pelo "trabalho desenvolvido no interesse da sociedade e de todos os seus stakeholders". De acordo com o Itaú BBA, a notícia é negativa para as ações de TIM, uma vez que Genish tinha "profundo conhecimento do setor de telecomunicações brasileiro e era muito reconhecido pelos investidores no Brasil".

POSI3: A Positivo Tecnologia teve um lucro líquido de R$ 11,8 milhões no terceiro trimestre, resultado superior ao lucro de R$ 4,6 milhões registrado no mesmo período do ano anterior. De acordo com a companhia, o resultado foi favorecido pela recomposição de margens proporcionada pelo repasse aos preços da valorização do dólar, assim como ganhos com a cobertura cambial reconhecidos no período.

Eletrobras (ELET6): A Eletrobras registrou um prejuízo líquido de R$ 1,613 bilhão no terceiro trimestre do ano, contra o lucro líquido de R$ 550 milhões registrado no terceiro trimestre do ano passado. Com o resultado negativo no terceiro trimestre, no acumulado de nove meses do ano, a companhia acumula um lucro líquido de R$ 1,275 milhão. No ano passado, de janeiro a setembro, a Eletrobras acumulou um lucro R$ 2,272 bilhões.

Bradespar (BRAP4): A Bradespar, holding que detém participação na Vale, divulgou nesta terça-feira, 13, que obteve no terceiro trimestre de 2018 um lucro líquido de R$ 123,2 milhões, recuo de 82% em relação aos R$ 687,1 milhões apurados no mesmo período de 2017.

Light (LIGT3): A Light reportou lucro líquido de R$ 6 milhões no terceiro trimestre de 2018, queda de 89,7% quando comparado ao mesmo período do ano anterior. No período, Ebitda ficou em R$ 304 milhões, queda de 36,5% em comparação com o 3T17.

Braskem (BRKM5): A Braskem reportou lucro líquido de R$ 1,34 bilhão de julho a setembro, alta de 68% contra um ano antes. Com isso, a receita líquida da empresa cresceu 34% no comparativo anual, para R$ 16,35 bilhões.

QGEP (QGEP3): A QGEP Participações divulgou na noite desta segunda, 12, seus resultados do 3T18. O lucro líquido foi de R$ 55,6 milhões no 3T18, queda de -8% comparado a R$60,5 milhões no 3T17, em função de maiores gastos exploratórios, segundo a companhia.

CPFL Energia (CPFE3): A CPFL Energia teve lucro líquido de R$ 626,2 milhões no 3T18, o que corresponde a uma expansão de 60,5% em relação ao lucro líquido do 3T17, que ficou em R$ 390,1 milhões.

Linx (LINX3): A Linx, anunciou nesta segunda, 12, os resultados consolidados do terceiro trimestre de 2018 (3T18). O lucro líquido ajustado atingiu R$14,1 milhões, queda de -29,3% em relação ao 3T17, quando o resultado foi de R$ 19.987 milhões. A receita líquida foi 20,5% maior em relação ao 3T17. O Ebitda subiu 1,2% entre julho e setembro, para R$ 36,6 milhões.

Área técnica do TSE aponta falhas na prestação de contas de Bolsonaro. Entre as irregularidades, foram identificadas doações recebidas de outros candidatos ou partidos com dados divergentes na prestação de contas dos doadores.

A Previdência não vai - mas R$ 10 bi para 2019 estão em jogo. Colegiado deve analisar a transferência de crédito especial ou suplementar para ajudar ministérios e órgãos públicos.

O dilema da JBS: corrupção de um lado, resultados em alta do outro. Maior produtora de carne bovina do mundo deve anunciar consistente melhora nos resultados um dia após a soltura de um de seus controladores.

Itália e Brexit: dois documentos definem hoje futuro da Europa. Orçamento da Itália e documento sobre Brexit serão apresentados nesta terça-feira, em dois episódios que colocam em jogo o futuro próximo do bloco europeu.

Transição faz pente-fino em cúpulas dos bancos estatais. Segundo matéria do jornal Estado de S. Paulo, objetivo é mapear executivos nomeados nas instituições federais em gestões passadas; grupo estuda corte de cargos com salários entre R$ 30 mil e R$ 60 mil.

Mourão discorda de comandante do Exército e diz que não há risco de politização nos quartéis. Em entrevista à colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, Villas Bôas disse que sempre é possível que interesses pessoais venham a penetrar no ambiente militar.

Equipe de Guedes quer tirar o Cade da Justiça. Como noticiou o Valor Econômico, equipe de transição de Bolsonaro cogita transferir conselho para a alçada do futuro Ministério da Economia.

DEM se credencia para terceiro ministério de Bolsonaro. Segundo matéria do jornal O Globo, governo eleito tem mais dois potenciais ministros.

Ex-procurador de Justiça do RJ, Cláudio Lopes recebeu R$ 7,2 milhões em propinas, segundo o MP. Como noticiou o G1, Lopes ainda teria recebido um extra de R$ 300 mil a mando de Sérgio Cabral quando fazia campanha para o cargo.

Com Guedes, BNDES foca em infraestrutura e mercado de capitais. Como noticiou o jornal Folha de S. Paulo, escolha de Joaquim Levy para presidir banco é primeiro passo de estratégica mais ampla.

Os investidores não verão os resultados da mudança na BRF (SA:BRFS3), maior exportadora de aves do mundo, no curto prazo, disse o presidente-executivo da companhia, Pedro Parente, à Reuters na segunda-feira. "Realisticamente, isso não acontecerá em menos de dois anos", disse Parente em uma entrevista em Nova York, acrescentando que um de seus maiores desafios como CEO é "gerenciar as expectativas dos investidores". Parente deixou seu cargo de presidente-executivo da estatal Petrobras (SA:SA:PETR4) para elaborar e implementar um plano de recuperação na BRF depois escândalos de corrupção e de segurança alimentar corroeram as vendas da empresa. Em abril, Parente foi nomeado presidente do conselho de administração da empresa, antes de assumir o papel adicional de presidente-executivo. Ele deve deixar o cargo executivo em meados de 2019 e ser substituído pelo vice-presidente de Operações, Lorival Luz.

A operadora de viagens Agaxtur fechou acordo nesta segunda-feira para aceitar pagamentos em bestkoin, primeira criptomoeda criada especificamente para o setor turístico. "As criptomoedas são uma realidade que não podemos nem devemos ignorar. O fato de ter foco inicial no mercado de turismo é um incentivo maior", afirmou em nota o presidente da Agaxtur, Aldo Leone Filho. No fim de outubro, a bestkoin foi lançada no Brasil como parte de um projeto de um meio de pagamento mais ágil e barato do que os tradicionais do setor. O dinheiro virtual foi desenvolvido por um grupo de empresários internacionais num projeto com sede comercial em Dubai e terá seu lançamento no mercado (ICO, na sigla em inglês) nas próximas semanas.

A combinação de fortes resultados operacionais no Brasil com margens maiores no exterior ajudaram a Braskem (SA:BRKM5) a ter forte lucro no terceiro trimestre, mais do que compensando efeitos negativos da depreciação do real frente ao dólar. A maior petroquímica da América Latina anunciou nesta segunda-feira que teve lucro líquido de 1,34 bilhão de reais de julho a setembro, alta de 68 por cento contra um ano antes. Numa mão, o aumento do spread dos principais químicos permitiu à companhia ter aumento das receitas no exterior, mesmo tendo tido queda nos volumes. O movimento também refletiu a gradual recuperação da economia brasileira sobre os volumes vendidos no país. Com isso, a receita líquida da Braskem cresceu 34 por cento no comparativo anual, para 16,35 bilhões de reais. Já o resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) avançou 30 por cento ano a ano, para 3,58 bilhões de reais.

A companhia de software para o varejo Linx (SA:LINX3) teve lucro líquido ajustado de 14,1 milhões de reais no terceiro trimestre, um recuo de 29,3 por cento sobre igual período do ano passado, à medida que o crescimento da receita foi mais que compensado por despesas maiores. Ainda assim, a margem bruta da companhia avançou 1,1 ponto percentual na mesma comparação, para 71,8 por cento, favorecida por maior eficiência operacional, apesar de recentes aquisições e "mais gastos com link e data center", afirmou a companhia no balanço. Em 2018 a Linx anunciou cinco aquisições de empresas. O resultado operacional medido pelo lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) subiu 1,2 por cento entre julho e setembro, para 36,6 milhões de reais. Em termos ajustados, houve alta de 14,2 por cento, para 41,7 milhões de reais.

A Petrobras reduziu para R$ 1,6616 o valor da gasolina A nas refinarias para esta terça-feira (13). O valor anterior era de R$ 1,6734. O preço do diesel, por sua vez, segue congelado em R$ 2,1228.

A Eletrobras registrou um prejuízo líquido atribuído aos sócios da empresa controladora de R$ 1,62 bilhão no terceiro trimestre deste ano, contra um lucro líquido de R$ 537 milhões no mesmo período do ano anterior. O Ebitda (Lucros Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização, na sigla em inglês), por sua vez, somou R$ 189 milhões.

A Caixa suspendeu a contratação de novas unidades do programa Minha Casa Minha Vida da faixa 1,5 por falta de recursos para o programa, o que pode afetar incorporadoras e construtoras. Nessa faixa, na qual se enquadram famílias com renda de até R$ 2.600,00 por mês, o governo banca uma parcela de até R$ 47,5 mil do valor do imóvel. É esse dinheiro, destinado ao pagamento do subsídio, que acabou. A intenção do banco é retomar os financiamentos em 2019, quando o programa receberá um novo aporte. A Caixa ressaltou que, no total, o programa Minha Casa Minha Vida recebeu este ano R$ 57,4 bilhões. Até o momento, informa a instituição, foram contratados 4,7 milhões de unidades habitacionais.

A Light apurou um lucro líquido de R$ 6 milhões no terceiro trimestre deste ano. A receita líquida somou R$ 2,99 bilhões, enquanto a dívida líquida ficou em R$ 8,14 bilhões. Já o Ebitda ajustado somou R$ 355 milhões, com margem Ebitda ajustada de 11,2%. De acordo com a elétrica, o resultado consolidado foi majoritariamente impactado pela piora do Ebitda da distribuidora.

A Braskem que teve lucro líquido de R$ 1,34 bilhão de julho a setembro, alta de 68% contra um ano antes. O ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) avançou 30%, para R$ 3,58 bilhões.

A Linx teve lucro líquido ajustado de R$ 14,1 milhões no terceiro trimestre, queda de 29,3% sobre igual período de 2017, com o crescimento da receita mais do que compensado por despesas maiores.

No terceiro trimestre deste ano, a Biotoscana apurou um lucro líquido de R$ 12,7 milhões. As vendas somaram R$ 165,6 milhões, enquanto o Ebitda ajustado ficou em R$ 39,4 milhões, com margem de 24%.

A Santos Brasil apurou uma receita líquida operacional de R$ 255,7 milhões entre julho e setembro deste ano, valor acima das projeções do mercado. O lucro líquido somou R$ 9,1 milhões e o Ebitda veio em R$ 60,7 milhões, com margem de 15,7%.

A Queiroz Galvão Exploração e Produção apresentou um lucro líquido de R$ 55,6 milhões no terceiro trimestre deste ano - queda de 8% em relação ao apurado no mesmo período do ano anterior. Segundo a empresa, a queda deve-se a custos maiores de amortização sem efeito caixa e gastos não recorrentes.


***************
*****************************
****************************************
BOLSAS INTERNACIONAIS:

As bolsas asiáticas encerraram sem direção definida, com altas na China e quedas no Japão e Coreia do Sul, puxados pelo pior pregão em Wall Street do mês.

Na Europa, as bolsas operam em alta após o sell-off nos Estados Unidos e de olho no petróleo após declarações do presidente dos Estados Unidos Donald Trump sobre o setor. Trump disse que países da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) não devem cortar a oferta da commodity para sustentar os preços no mercado.

Os preços do petróleo recuam mais uma vez e caminham para o 12º dia de queda consecutivo após Trump criticar o plano da Arábia Saudita de cortar a produção da commodity em dezembro. Os índices futuros das bolsas norte-americanas se recuperam do tombo no pregão anterior e sobem.

Confira o desempenho do mercado, segundo cotação das 7h53 (horário de Brasília):

*S&P 500 Futuro (EUA) +0,43%

*Dow Jones Futuro (EUA) +0,34%

*Nasdaq Futuro (EUA) +0,69%

*DAX (Alemanha) +0,56%

*FTSE (Reino Unido) +0,33%

*CAC-40 (França) +0,49%

*FTSE MIB (Itália) -0,06%

*Hang Seng (Hong Kong) +0,62% (fechado)

*Xangai (China) +0,93% (fechado)

*Nikkei (Japão) -2,06% (fechado)

*Petróleo WTI -1,65%, a US$ 58,94 o barril

*Petróleo brent -1,33%, a US$ 69,19 o barril

*Bitcoin US$ 6.286,22 -1,15%
R$ 24.100 +0,37% (nas últimas 24 horas)

*Contratos futuros do minério de ferro negociados na bolsa chinesa de Dalian -1,73%, a 511,00 iuanes (nas últimas 24 horas)

Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 2,06 por cento, a 21.810 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG subiu 0,62 por cento, a 25.792 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC ganhou 0,93 por cento, a 2.654 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, avançou 1,01 por cento, a 3.237 pontos.

Na Europa, com os mercados em operação, o dia é marcado por ganhos nas principais praças. Em Frankfurt, o DAX soma 0,46% aos 11.377 pontos, enquanto que em Londres, o FTSE ganha 0,20% aos 7.066 pontos. Já em Paris, o CAC tem valorização de 0,15% aos 5.066 pontos.

Commodities

A jornada desta terça-feira na bolsa de mercadorias de Dalian, na China, foi marcada pela desvalorização dos contratos futuros do minério de ferro. O ativo de maio liquidez, com data de entrega em janeiro do próximo ano, encerrou com perdas de 1,68% a 511,5 iuanes por tonelada.

No caso do vergalhão de aço, com os futuros sendo transacionados na também chinesa bolsa de mercadorias de Xangai, a sessão foi marcada mais uma vez por perdas. O contrato de maior volume de negócios, para janeiro de 2019, teve queda de 1 iuan, para um total de 3.868 iuanes por tonelada. Já o segundo mais negociado, para maio do ano que vem, ganhou 2 iuanes para 3.489 por tonelada.

O dia é também marcado pela queda expressiva do preço do petróleo nos mercados internacionais. O barril do tipo WTI, referência de Nova York, recua 2,29%, ou US$ 1,37, a US$ 58,56, enquanto que em Londres, o Brent cai 2,07%, ou US$ 1,45, a US$ 68,67.